Skip to main content

Brasileiros que praticam exercícios físicos aumentam 24%


Se você tem a sensação de que, ao transitar pelas ruas e academias, avista, cada vez mais, um número maior de pessoas praticando corrida, saiba que sua percepção tem fundamento. Segundo a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) 2017, elaborada pelo Ministério da Saúde, a quantidade de atletas corredores aumentou 194% no país, entre os anos de 2006 e 2017.



No mesmo período, o estudo, divulgado esta semana, também revela uma maior procura pelas modalidades de luta, incluindo artes marciais, como o judô, o karatê e o kung fu. Nesse caso, o aumento foi 109%.

Ao mesmo tempo, o futebol vem perdendo espaço nas capitais brasileiras. Durante o intervalo analisado, o total de praticantes da categoria desportiva caiu quase pela metade (43,5%).

De acordo com a pasta, a caminhada é o exercício físico mais comum, sendo praticado por 33,6% da população. Na sequência, aparecem a musculação (17,7%), o futebol (11,7%) e as lutas e artes marciais (2,3%).

Além disso, estima-se que 37% da população das capitais brasileiras façam, ao menos, 150 minutos de atividade física por semana, mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Fragmentada nos sete dias da semana, a duração é de, aproximadamente, 22 minutos diários. O índice é motivo de comemoração, já que cresceu 24,1%, de 2006 até o ano passado.

No Vigitel, o nível de atividade física dos adultos pode ser avaliado em quatro domínios: no tempo livre (lazer), na atividade ocupacional, no deslocamento e no âmbito das atividades domésticas. São considerados ativos os adultos que praticam atividades físicas por pelo menos 150 minutos de exercícios de intensidade moderada por semana ou pelo menos 75 minutos semanais de atividade física de intensidade vigorosa. Caminhada, caminhada em esteira, musculação, hidroginástica, ginástica em geral, natação, artes marciais e luta, ciclismo e voleibol/futevôlei e dança foram classificados como práticas de intensidade moderada. Já corrida, corrida em esteira, ginástica aeróbica, futebol/futsal, basquetebol e tênis compõem o grupo de práticas de intensidade vigorosa.

Perfil
Os pesquisadores destacam ainda uma predominância do hábito entre homens (43,4%) e pessoas nas faixas etárias de 18 a 24 anos (49,1%) e 25 a 34 anos (44,2%). Outra relação evidenciada pelo ministério é o grau de escolaridade dos desportistas, considerando que 47% dos brasileiros que praticam atividade física já têm completos 12 anos ou mais de educação formal.

As capitais brasileiras onde menos se pratica atividade física, conforme a pesquisa, são São Paulo (29,9%), João Pessoa (34,45) e Recife (35,2%). Brasília - considerada na pesquisa como Distrito Federal, por englobar as cidades vizinhas - (49,6%), Palmas (45,9%) e Macapá (45,5%), por outro lado, apresentam os melhores índices.

Publicado em 25/12/2018 - 15:45
Por Letycia Bond - Repórter da Agência Brasil  Brasília
Edição: Valéria Aguiar 
Reprodução: Blog Saúde Franca

Comments

Popular posts from this blog

Doria rebaixa Franca para a faixa vermelha e cidade volta à quarentena

Depois de uma subida exponecial nos casos de COVID na cidade de Franca, o governador João Doria decidiu que Franca voltará à fase Vermelha do Plano São Paulo de combate à pandemia. O anúncio ocorreu hoje sexta-feira, 26 e a nova fase da quarentena segue até o dia 14 de julho. Na prática isso significa que Franca e os municípios na nossa região administrativa terão de fechar concessionárias, imobiliárias, comércio, escritórios e shoppings. Essa mudança será efetiva a partir de segunda-feira (dia 29 de Junho) e não impacta serviços essenciais. Fases Fase 1, vermelha: alerta máximo, funcionamento permitido somente aos serviços essenciais Fase 2, laranja: controle, possibilidade de aberturas com restrições Fase 3, amarela: abertura de um número maior de setores Fase 4, verde: abertura de um número maior de setores em relação à fase 3 Fase 5, azul: "Normal controlado" - todos os setores em funcionamento, mas mantendo medidas de distanciamento e higiene Mapa

Franca tem o maior crescimento de COVID19 do Estado

A fundação Seade, órgão estatístico vinculado ao Governo de São Paulo e centro de referência nacional na produção e disseminação de análises e estatísticas socioeconômicas, divulgou novos dados sobre COVID19 no Estado de São Paulo  e constatou que a região de Franca é aquela que apresentou o maior crescimento de óbito por causa do novo corovanirus no Estado, uma alta de 57.7% no período de 8 à 14 de julho. O crescimento semanal de Franca foi 10 vezes a média do Estado no mesmo período, que se manteve em 5%. Franca está na Zona Vermelha desde 26 de junho, portanto apenas serviços essenciais podem funcionar. Além do forte crescimento de casos, outro fator que influencia Franca estar na zona vermelha é a altíssima taxa de ocupação das UTIs, recentemente a Santa Casa da cidade declarou estar com 100% das UTIs ocupadas. Hoje, sexta-feira (17) será atualizado o mapa do plano de São Paulo e a expectativa é que Franca permaneça na zona vermelha.

Franca registra primeira morte por Covid-19, jovem tinha 34 anos.

A Prefeitura de Franca, através da Vigilância Epidemiológica Municipal, registrou neste domingo, 12, a primeira morte na cidade por Covid-19. O paciente jovem, 34 anos, estava internado no Complexo Santa Casa desde o dia 9 de abril e faleceu nesta tarde. Este é o sétimo caso positivo de Coronavírus em Franca. É considerado importado, pois o paciente veio de São Tomás de Aquino (MG). O resultado positivo do exame foi divulgado na noite de hoje. Internado, o paciente recebeu terapia conforme protocolo do Ministério da Saúde para casos suspeitos de Coronavírus; ele era portador de comorbidades. A Vigilância Epidemiológica de Franca comunicará oficialmente o município de São Tomás de Aquino para que tomem todas as medidas necessárias sobre o caso. Fonte: Prefeitura de Franca